Pesquisar este blog

Carregando...

Esporte Consumo e Mídia

“Basta ligar a televisão e ´zapear´ um pouco com o controle remoto: o esporte está em toda a parte. Não apenas nos programas e noticiários especificamente esportivos, em que é produto espetacular, mas nos filmes, nos programas de auditório, de entrevistas, nos telejornais, nos desenhos animados, nas telenovelas e nos seriados. Nos anúncios publicitários, é invocado para vender sorvete, assinatura de jornal, remédio, automóvel, desodorante, serviços bancários, refrigerante” (BETTI, 1998 apud CBC)


Gente;
após nossas discussões em sala de aula e beira de quadra; como podemos interpretar a colocação acima feito por Betti? Comente o texto acima. Num segundo momento, gostaria que trouxessem para cá, reportagens, propaganda e outros, onde ficam claros a intenção de vender ou tentar vender o produto esporte ou outros produtos.
Abraço
Entrem neste link e confiram o texto, respondendo a seguinte questão: Mídia e Esporte: Como se Relacionam?
Vejam o que está acontecendo neste momento no Futebol Brasileiro. Este texto retirado da Página "www.futebolbbaiano.com" faz uma crítica ao momento vivido e a relação estabelecida com a mídia pelos dirigentes do G 13. Após a leitura, façam seus comentários. Vamos produzir?


Como disse ontem nos comentários, este assunto Clube dos 13, TV Record, TV GLOBO, racha e as negociações dos direitos de exploração comercial do Campeonato Brasileiro no ano que vem, é pra gente que sabe ler o que está escrito após o ponto final. Na condição de torcedor de bola, torço apenas para que a decisão recaia sobre a TV que regionalize as transmissões e que respeite o torcedor, não mais permitindo jogos de futebol às 22 horas, em nome das novelas, e que limite a super exposição de alguns clubes em detrimento de outros. Veja o que a Gazeta Press tem a dizer sobre o assunto.

O racha no Clube dos 13, criado em 1987 com a finalidade de "salvar o futebol brasileiro", como seu próprio site oficial define, expõe a situação caótica atravessada pela modalidade no país pentacampeão a três anos do início da Copa do Mundo de 2014. Empossado como presidente da CBF em 1989, Ricardo Teixeira resistiu a duas Comissões Parlamentares de Inquérito (CPI) e, nos últimos 21 anos, conduziu os maiores clubes brasileiros à crise atravessada atualmente.

Ao longo de sua longa gestão, marcada por uma série de escândalos e pelos títulos mundiais em 1994 e 2002, Teixeira, impulsionado pelo ex-sogro João Havelange, presidente da Fifa entre 1974 e 1998, aproveitou brechas e jogou com interesses. Desta forma, manipulou clubes, dirigentes e ídolos para alcançar seus objetivos e satisfazer seus pares. Mais de uma vez, mudou de ideia, ignorou o que havia dito anteriormente e alterou o próprio posicionamento político.

Apontado como possível sucessor do suíço Joseph Blatter na cadeira ocupada por seu ex-sogro na Fifa, Teixeira se prepara para alcançar o ápice no comando da CBF com a Copa-2014. Fortalecido pela posição de hostess do evento, o cartola movimenta as peças no tabuleiro para maximizar seu poder antes do Mundial. As últimas jogadas do dirigente, no entanto, semearam a discórdia entre os times e deixaram o tradicional Clube dos 13 ameaçado.

Sem a cláusula de preferência utilizada pela Rede Globo nos últimos anos para adquirir os direitos de transmissão do Brasileiro, outras emissoras se interessaram pelo campeonato. Para o triênio 2012-1014 do torneio nacional, o Clube dos 13 pretende lucrar também com TV a cabo, pay-per-view, telefonia móvel, internet e direitos internacionais. Com a poderosa televisão carioca ao seu lado, Teixeira, aliado a Andrés Sanchez, presidente do Corinthians, assiste a um verdadeiro racha na entidade.

O Corinthians já formalizou seu pedido de saída do Clube dos 13 e estaria tentando cooptar novos clubes. Flamengo, Botafogo, Fluminense, Vasco e Coritiba ainda não oficializaram o desejo de deixar a entidade, mas avisaram que pretendem negociar com as emissoras de forma independente. Além da Globo, a Record e a Rede TV participam da concorrência. Caso as equipes fechem com mais de uma emissora, os jogos de times de diferentes facções não seriam transmitidos.

Diante da crise, Ataíde Gil Guerreiro, diretor executivo do Clube dos 13 e articulador do modelo de edital para comercializar os direitos, clama pela união. "Nossa única chance é estar juntos. Com todos, o contrato (para transmissão em TV aberta) será de R$ 500 a R$ 600 milhões. Separados, não será. Temos que fazer alguma coisa, engolir alguns sapos e conversar com as emissoras. Na minha opinião, devemos chamar todos os descontentes para conversar", afirmou o dirigente, conselheiro do São Paulo.

A ruptura no Clube dos 13 acentuou-se nas últimas eleições presidenciais da entidade, realizadas em abril do ano passado. Sanchez explicitou a união com Teixeira e apoiou Kléber Leite, que até homologou sua candidatura em um papel timbrado do Corinthians. Botafogo, Coritiba, Cruzeiro, Goiás, Santos, Vasco e Vitória-BA ficaram do mesmo lado e foram derrotados por Fábio Koff, apoiado por Atlético-MG, Atlético-PR, Bahia, Flamengo, Fluminense, Grêmio, Guarani, Inter, Palmeiras, Portuguesa, São Paulo e Sport.

De forma indireta, sempre com o Corinthians ao seu lado, Teixeira causou um racha entre Flamengo e São Paulo, dois dos principais clubes entre os que votaram em Fábio Koff. Dois dias depois da reeleição do mandatário do Clube dos 13, o presidente da CBF declarou que o Tricolor é o verdadeiro dono da Taça das Bolinhas, algo lembrado pela Caixa Econômica Federal para entregar o prêmio à equipe em fevereiro deste ano. Uma semana após os paulistas receberem o troféu, ele resolveu mudar de ideia e reconhecer o Flamengo como campeão de 1987 ao lado do Sport.

Com o Corinthians e o Flamengo ao seu lado, Teixeira reúne as duas agremiações com mais peso na negociação dos direitos de transmissão, enfraquecendo significativamente o Clube dos 13. Desafeto de Andrés Sanchez, Juvenal Juvêncio, que viu o Morumbi desprezado pelo presidente da CBF em detrimento do embrionário Fielzão no Mundial-2014, fica ainda mais isolado. Até o momento, São Paulo e Palmeiras são os únicos times do top de linha do Clube dos 13 que não se manifestaram contrários à entidade.

Juvenal lembrou o nascimento da entidade para tentar demover os dissidentes. "O Clube dos 13 foi criado para romper com o status quo e precisa ser ousado em suas posições", justificou. Para o são-paulino, os times que negociarem separadamente conseguirão valores inferiores. "Se dispensar dez para ganhar cinco, como explicar em casa? Seríamos muito mais fortes no mesmo barco", completou o mandatário, que deixou no ar uma critica à CBF: "você sabe o que eles estão fazendo...".

Pelo menos diante das câmeras, Fábio Koff, presidente do Clube dos 13, garante não temer uma possível saída em bloco, algo que poderia sepultar a entidade. "Com exceção do Corinthians, ninguém disse que vai sair", afirmou. Ele evitou criticar a CBF abertamente, mas se disse surpreso com a situação. "É uma estranha coincidência. Teve 24 anos para reconhecer (o título do Flamengo) e podia ter reconhecido com os outros campeões (do Robertão e da Taça Brasil), mas não o fez. Eu só posso estranhar", declarou.

Alexandre Kalil, presidente do Atlético-MG e membro da comissão que conduziu o processo ligado à venda dos direitos de transmissão, procurou tirar o foco dos subterfúgios da CBF. "A briga aqui é por dinheiro e interesses. Com um contrato de R$ 3,9 bilhões (no triênio), é ridículo ficar falando de Taça das Bolinhas. Os clubes têm que parar de fazer papel de bobo. Ninguém vai ficar emburradinho com um contrato de R$ 3,9 bilhões", reiterou.

Antes de agradar ao Flamengo e reconhecer o antigo pleito do time rubro-negro, a CBF usou o mesmo expediente e chancelou os títulos da Taça Brasil e do Torneio Roberto Gomes Pedrosa. Fluminense, Palmeiras e Bahia, que votaram a favor de Koff nas eleições, aumentaram suas respectivas salas de troféus. De quebra, Teixeira acariciou o ego do ex-desafeto Pelé, que passou a ser o maior campeão nacional da história (seis conquistas) e pode usar seu prestígio para promover a Copa-2014.

As negociações atuais não interferem, pelo menos na teoria, no Campeonato Brasileiro de 2011. Contudo, o futuro é nebuloso. A criação de uma nova liga de clubes e a organização de um torneio nacional paralelo, possivelmente com a chancela da própria CBF, são algumas das possibilidades cogitadas. Apesar da ebulição, o Clube dos 13 confirmou que pretende abrir os envelopes com as propostas das emissoras interessadas na transmissão por TV aberta no dia 11 de março.

Postado por BLOG FUTEBOL BAIANO às 14:36   

http://www.futebolbahiano.com/2011/02/veja-como-cbf-deflagrou-crise-no-clube.html  Acessado em 04/03/2011.

A Globo e um golpe no futebol brasileiro


De braços dados com o poder, na época dos generais
Fevereiro de 2011. Este mês será lembrado como marco do retrocesso do futebol brasileiro. Será mais um símbolo da força que a Rede Globo exerce sobre o povo brasileiro. E poderia não ser dessa maneira. Se o futebol brasileiro fosse tocado por pessoas sérias, fevereiro de 2011 poderia simbolizar a guinada ao primeiro mundo do futebol. A capitalização do futebol pelos recursos da disputa pelo direito de transmissão do Campeonato Brasileiro significaria um novo período de bonança para os clubes de futebol: manutenção e retornos dos craques, atração de estrangeiros (principalmente dos craques latinos), a internacionalização do nosso futebol e a concorrência contra os gigantes clubes europeus. Isso tudo viria da organização do futebol brasileiro para seu desenvolvimento.
E é claro que vale ressaltar que isso só poderia ser possível depois que o Estado brasileiro impediu a continuidade do monopólio das transmissões de futebol. No final do ano passado, o Cade  (Conselho Administrativo de Defesa Econômica – órgão responsável por coibir abusos de poder econômico) acabou com a exclusividade da Globo sobre o contrato de transmissão dos jogos, obrigando o Clubes do 13 a abrir uma concorrência pública para os direitos de transmissão nas mais diversas mídias. Tudo caminhava de maneira bem transparente, os clubes prepararam um edital, ouviram os interessados e esperavam arrecadar uma soma bilionária para os campeonatos de 2012 à 2014. Mas as coisas não seriam tão simples. A Rede Globo não aceita que seus interesses sejam contrariados, nunca aceitou. E isso não é só no esporte, é na política, na economia, na cultura nacional. Em conluio com a CBF (Confederação Brasileira de Futebol), ela acaba de destruir o Clube dos 13. Agindo nas sombras, sabe-se lá com quais metodos de “convencimento”, a Globo impediu que a “união dos grandes clubes brasileiros”  pudesse democraticamente promover a concorrência e a livre negociação do seu maior produto, o Campeonato Brasileiro.
Um pouco de história
A Globo não aceita perder sua influência na vida dos brasileiros. A Rede Globo rejeita a democracia, rejeita a legalidade, rejeita os interesses públicos. E isso não é de hoje. É bom nesse momento recordar a forma com que a Globo construiu seu império midiático. A Globo só chega hoje onde ela chega, com seu “padrão de qualidade”, influenciando a vida de todos os brasileiros, porque ela se aproveitou de todas as benesses de quem teve o poder no Brasil. A Globo só deixou de ser um grupo pequeno carioca (com um jornal e uma rádio) para se agigantar com a ditadura militar. De forma ilegal, ela se aliou ao grupo americano Time Life para a construção da TV Globo em 1962, com um aporte de 6 milhões de dólares (até 2002, era proibida a presença de capital internacional nas empresas de comunicação brasileiras). Depois de descoberta a maracutaia, a Globo desfez o acordo, mas já era tarde para a concorrência. Com o apoio dos militares, a Globo fez parte do projeto de integração nacional pelas telecomunicações, construindo a sua rede nacional de emissoras e chegando a todo país. A Globo foi um dos pilares para os 20 anos de ditadura militar no Brasil.
No processo de redemocratização do país, a Rede Globo só “abraçou” a mobilização popular quando a queda dos militares era iminente. A emissora não cobriu as diversas mobilizações pelas “diretas já”, chegando até o clássico caso do comício que reuniu milhões na Praça da Sé, em São Paulo, e a Globo noticiou que estava acontecendo uma comemoração do aniversário da cidade, enquanto os outros canais entravam com flash ao vivo das manifestações. Este foi um dos motivos da existência da palavra de ordem “o povo não é bobo, abaixo a Rede Globo”. Isso sem contar outros casos como a manipulação do debate entre Lula e Collor em 1989, o apoio às privatizações e ao governo FHC e o ataque sistemático ao governo Lula. Além disso a Globo nega e impede qualquer proposta de regulação pública e debate público sobre as comunicações no país. Ela agiu contra a criação da Ancinav  (agência que regularia o audiovisual brasileiro) em 2004, se negou a participar da Conferência Nacional de Comunicação e rejeita qualquer mudança na caduca legislação do setor. E assim a Globo mostra como ainda é uma das instituições mais poderosas do país. Apesar de que ao longo dos anos ela vem perdendo sua audiência e a influência na população brasileira.
A desmoralização das instituições
Hoje a Rede Globo está em confronto aberto com a Rede Record e seu mantenedor, o bispo Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus. A Globo ainda se vê cada vez mais acuada pela convergência das mídias, com as jamantas das empresas de telecomunicações avançando pela TV por assinatura, internet e distribuição de conteúdos. E, nesse cenário, porque ela iria respeitar uma determinação antimonopolista do Cade?
Para a Globo, a lei, a regulação, o interesse público sempre foram detalhes a serem esquecidos. E a atual disputa pelos direitos de transmissão é um caso notório. A Globo e o Clube dos 13 assinaram um Termo de Compromisso de Cessação em outubro de 2010 concordando com o fim da preferência na compra do campeonato e a venda separada por mídias. O Clube dos 13 cumpriu sua obrigação, mas a Globo não. Ela preferiu, à sua maneira corriqueira de agir, com um golpe. E sem nenhum constrangimento. Em nota oficial, a Globo afirma que é contra o edital do Clube dos 13, alegando que a existência da concorrência entre as emissoras e a separação do edital por mídia (TV aberta, TV por assinatura, PPV, internet, celular) inviabilizaria seu modelo de negócio. A Globo ainda publicou anúncios em todo país afirmando que está agindo em respeito ao torcedor. Ela desmoraliza o acordo com o Estado brasileiro e ainda tripudia da população.
Mas a emissora da família Marinho não aceita perder o jogo. Sua jogada é simples, rachar o Clube dos 13 e negociar individualmente com os clubes, em uma clara tentativa de manobra do acordo com o Cade. Corinthians, Flamengo, Botafogo, Fluminense, Vasco, Cruzeiro, Coritiba, Grêmio e Palmeiras e Santos já se submeteram ao poder Global e anunciaram não aceitar as negociação realizada pelo Clube dos 13. Apenas São Paulo, Atlético Mineiro, Internacional resistem até a abertura dos envelopes dos editais, em 11 de março. Em reunião com o presidente do Clube dos 13, nesta última terça-feira, o presidente do Cade, Fernando Furlan, disse que um provavél acordo entre os clubes e a emissora poderá ser alvo de um outro processo no órgão. Enquanto isto, Fábio Koff, presidente do Clube dos 13 ainda insiste em dizer que a entidade ainda tem a prerrogativa de negociar os direitos de transmissão de seus associados. Oficialmente, apenas o Corinthians confirmou sua retirada do C13. A desmoralização do futebol brasileiro segue em ritmo acelerado.
*Gésio Passos é jornalista e militante do Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social.

Leia mais na fonte! >> As opiniões expressas nos artigos são de responsabilidade pessoal do autor e não representam necessariamente a posição do Portal Planeta ou de seus colaboradores diretos.
http://www.planetaosasco.com/oeste/index.php?/pdf/201103039268/Nosso-pais/a-globo-e-um-golpe-no-futebol-brasileiro.pdf  Acessado em 04/03/2011.

A relação entre o futebol brasileiro e os meios de comunicação
Rafael Carlos Lavigne Diniz*
Diana Frutuoso Machado**
(Brasil)
*Acadêmico do 7° semestre do curso de Educação Física da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
**Acadêmica do 5° semestre do curso de Psicologia da Faculdade de Ciência e Tecnologia – FTC
Campus Jequié – Bahia

Resumo
          Este artigo visa discutir um tema de extrema importância para o mundo do futebol, que é a relação entre os clubes futebol e os meios de comunicação. A cada dia aumenta a significância deste tema, pois tantos os clubes de futebol, como os meios de comunicação, parecem depender cada vez mais um do outro para poderem crescer e se desenvolverem economicamente. O presente artigo visa problematizar, como os meios de comunicação influenciam direta ou indiretamente no funcionamento dos clubes brasileiros. Tem por objetivo, investigar as relações existentes entre mídia e clubes de futebol do Brasil, e também, como essa relação influencia no poder que a mídia exerce sobre esses clubes. Objetiva também analisar como a mídia vende o produto futebol, lucrando em cima desse produto, procurando transformá-lo em espetáculo, pronto para ser “consumido”. Como metodologia, foi utilizada a pesquisa bibliográfica, pois de acordo com GIL (1991) a “Pesquisa Bibliográfica é elaborada a partir de material já publicado, constituído principalmente de livros, artigos de periódicos e atualmente com material disponibilizado na Internet”. Por fim, podemos perceber que o futebol brasileiro carece de maior organização para poder torna-se mais independente da influência midiatica, podendo vir a ter na mídia um grande parceiro, mas sem torna-se “escravo” dos caprichos da mesma.
          Unitermos: Meios de Comunicação. Clubes de futebol. Espetáculo.
http://www.efdeportes.com/ Revista Digital - Buenos Aires - Año 13 - N° 126 - Noviembre de 2008

1.     Considerações iniciais
    É de extrema importância que se discuta a influência da mídia no contexto do futebol brasileiro, para que se possam ampliar os entendimentos sobre o mesmo, e assim criem-se referências para maiores discussões aprofundadas sobre o real poder que os mídias exercem no ambiente do futebol brasileiro. Existem diversas formas de a mídia trabalhar com o futebol, dentre elas estão à exploração dos espaços publicitários, a propagação da mídia impressa, a transmissão através dos rádios, a Internet, o celular, e a televisão.
    Os clubes de futebol estão paulatinamente perdendo a sua autonomia, ficando a mercê das decisões que a mídia impõe, tanto em relação aos horários da grade televisa, quanto à adequação das regras do jogo as necessidades dos meios de comunicação. Para esse entendimento, contribuiu em muito a posição de Souza (2004) na qual “os clubes, por precisarem arcar com compromissos de curto prazo, perderam poder de barganha e pediram para que cotas dos campeonatos fossem adiantadas”.
    Esta pesquisa torna-se de grande importância, a partir do momento em que traz para discussão a problemática das relações do mundo futebolístico com os meios de comunicação, procurando ampliar as referências sobre os mesmos. Para nós, é extremamente válido para nossa formação, que possamos discutir essas questões, pois é entendendo a lógica dessas relações, que podemos discutir com nossos alunos e atletas temas relevantes do mundo do futebol.
    O artigo consta de um resumo, no qual se faz uma contextualização do tema, além de conter os objetivos, a metodologia e as considerações finais acerca do mesmo. Logo em seguida, dividimo-los em considerações iniciais, fornecendo elementos iniciais para uma posterior discussão mais aprofundada . Após as considerações iniciais, vem a fundamentação teórica, dando um embasamento para que se sustente todo o processo de argumentação e desenvolvimento das idéias que constituirão este artigo. Em seguida, o artigo consta da metodologia na qual baseia-se. E por fim, há as considerações finais, na qual a um fechamento das idéias de forma que haja uma articulação entre todas as partes do artigo, para um melhor entendimento do mesmo.
2.     Desenvolvimento
2.1.     Fundamentação teórica
    A partir da década de 70, ocorreram diversas mudanças na estrutura do futebol, no Brasil e no mundo. De acordo com REIS (2000) “Foi a partir da gestão de João Havelange na presidência da FIFA (1974-1998) que o futebol teve um grande avanço na forma de espetáculo e transformou-se na mercadoria mais rentável da ”indústria do lazer”. Necessitou-se portanto, da criação de vários complexos esportivos, com o intuito de poder transformar o futebol num fenômeno mundial e de massa, para que pudessem ser comercializados em diversos mercados consumidores, como indústrias têxteis, equipamentos, turismo e lazer, calçados e etc. O futebol precisou transformar-se em algo dinâmico, adequando-se à indústria do entretenimento. Vale ressaltar que a indústria do entretenimento é a maior do mundo em volume de negócios e em número de empregos criados.
    O público e a mídia dão popularidade ao espetáculo na medida em que o ídolo, a estrela, esteja presente. O ídolo é na grande maioria dos casos, uma invenção da mídia para atrair cada vez mais a atenção dos espectadores para o seu produto. De acordo com RODRIGUES e MONTAGNER (2005)
    “Esse é um aspecto que os meios de comunicação possuem: criar ídolos. O esporte facilita esse processo pelo fator de envolver a questão de conquistas, vitórias. A criação do mito é baseada em conquistas, mas não respeita tempo, nem desenvolvimento natural dos atletas para se tornarem ídolos, um exemplo é o jogador Robinho, que se profissionalizou no segundo semestre de 2002, e pelo destaque obtido, é colocado pela imprensa como herói, apelidado de rei dos dribles, comparado com Pelé, nos possibilitando identificar a mídia, caracterizando a criação do herói ao falar sobre um ídolo emergente comparando com outro consolidado como tal”. (http://www.efdeportes.com/efd85/tv.htm - acessado em 26/01/2008)
    A fabricação dos ídolos esportivos ocorre em um processo que envolve publicação sistemática de artigos, textos publicitários, narração de jogos, comentários de especialistas e outros, que põe em destaque qualidades e atributos distintos de atletas, enaltecendo-os e transformados em “pessoas especiais”. Esse processo de transformação de atletas em ídolos, ocorre em todas as instâncias dos meios de comunicação, e é importante frisar, que do mesmo modo que a mídia transformar alguns atletas em ídolos, rapidamente pode trabalhar pela desconstrução desses mesmos ídolos criados por ela, contribuindo para essa desconstrução o interesse que a mídia tem por detrás desse processo.
    O esporte, e particularmente o futebol é o melhor chamariz para a televisão, pois dá sobrecarga a todo o restante da programação, e acaba por incentivar os telespectadores a assinarem TV a cabo ou por satélite. Os meios de comunicação, percebendo essas questões, usam o futebol e os clubes como principal produto de oferta para atrair telespectadores em potencial, atraindo assim ibope, para poderem comercializar mais caro seus espaços na programação para publicidade, além da questão de atrair clientes para seus canais pagos. Contribuiu para essa afirmação, o artigo de SANFELICE o qual nos mostra que “A exploração do futebol pela mídia, principalmente a televisão, se faz pela forte relação de mercado”.
    A espetacularização dos esportes pela televisão, principalmente o futebol, se faz com o intuito de cada vez mais prender o telespectador nesta ou naquela emissora. São dezenas de câmeras, microfones de captação de som ambiente, replays, tira-teima, comentaristas esportivos, especialistas em arbitragem, convidados especiais, dentre outras atrações para deter o telespectador nas transmissões. Essa guerra tecnológica entre as emissoras acaba seduzindo o telespectador a ficar na comodidade de seu lar, em frente ao seu televisor. Para que possamos compreender o que foi dito, o artigo de CAMARGO nos mostra que:
    “As novas tecnologias e a colocação de câmeras de vídeo em pontos estratégicos, assim como a utilização de recursos gráficos e digitais, garantem o melhor ângulo de cada lance dos jogos, possibilitando uma edição mais competente, permitindo também diminuir as dúvidas dos lances incertos. Além disso, existe uma competição acirrada fora dos gramados entre as emissoras de televisão, pela conquista da audiência, dos anunciantes, e dos patrocinadores. O telespectador também é envolvido, pois sofre diretamente a influência dessas ações e reproduz as falas dos narradores e comentaristas”. (http://www.comciencia.br/comciencia/?section=8&edicao=16&id=151 – acessado em 27/01/2008)
    Para Neumann (1998) “o futebol mostra ir além dos limites do campo. Num país que tem tradição neste esporte, investir em patrocínio cria uma imagem ativa, dinâmica e rende bons lucros”. O processo de transformação do esporte em espetáculo de fácil consumo globalizado, que atinge agora uma etapa em que é sistematicamente consumida pelos meios de comunicação de massa, começou pela progressiva adaptação do esporte à linguagem televisiva. Para isso, a primeira alteração significativa procedida, depois do consentimento para inclusão de publicidade nos uniformes, foi à aprovação de mudanças nas regras de diversas modalidades, como condição para estas serem incluídas nas grades de programação televisiva. Isto implicou sobretudo a redução dos tempos inativos e da própria imprevisibilidade do tempo total da disputa, além do estabelecimento de paradas programadas para introdução de material publicitário no decorrer dos jogos.
    Os clubes de futebol do Brasil são dependentes do dinheiro proveniente dos meios de comunicação, assim como a mídia também depende muito dessa relação com o futebol para poder atrair telespectadores, e conseqüentemente atrair investidores. Nesse ponto, o artigo de SANFELICE nos traz que “Com a Lei do Passe, os clubes brasileiros cada vez mais dependem dos meios de comunicação para sobreviverem, até porque a violência afasta os espectadores dos estádios”. Neste mesmo artigo, SANFELICE nos mostra que:
    “A mídia trabalha com o futebol das mais variadas formas. Ela explora o futebol como a sua maior fonte de renda. Os espaços publicitários das partidas do Campeonato Brasileiro transmitido pela televisão valem milhões, representando cifras significativas, tanto para os clubes quanto para os meios de comunicação. Já as rádios com cifras mais modestas (o investimento depende de seu índice de audiência), recebem pelos espaços (tempo) importâncias menores. Nos jornais as páginas esportivas estão entre as mais lidas pela população, ganhando inclusive das editoriais de política e de economia”.(http://www.unb.br/fef/midia/downloads/futebol_espataculo_e_midia_reflexoes_relacoes_e_implicacoes.pdf - acessado em 28/01/2008)
    É importante salientar que o valor da venda não é dividido de forma igualitária entre os clubes, ficando os principais clubes do país com uma parte significativa desse dinheiro em comparação com as equipes menores, e muito em função disso, acabam se perpetuando no poder.
2.2.     Metodologia
2.2.1.     Abordagem
    Esta é uma pesquisa bibliográfica, pois a pesquisa bibliográfica, abrange a leitura, análise e interpretação de livros, periódicos, textos legais, documentos mimeografados ou xerocopiados, mapas, fotos, manuscritos etc. Todo material recolhido deve ser submetido a uma triagem, a partir da qual é possível estabelecer um plano de leitura. Trata-se de uma leitura atenta e sistemática que se faz acompanhar de anotações e fichamentos que, eventualmente, poderão servir à fundamentação teórica do estudo. Corrobora para essa definição a visão de GIL (1991) na qual a “Pesquisa Bibliográfica é elaborada a partir de material já publicado, constituído principalmente de livros, artigos de periódicos e atualmente com material disponibilizado na Internet”.
3.     Considerações preliminares
    A situação atual do futebol no Brasil aponta para a necessidade de tornar mais profissional, eficaz e eficiente a sua organização e administração, para que o clube de futebol torne-se menos dependente dos meios de comunicação e ganhe uma maior autonomia para que possa caminhar com suas próprias pernas, e fique menos vulnerável aos caprichos da mídia. O espetáculo esportivo moderno necessita de estádios que possam receber o público com todo o conforto e segurança. Isso inclui horário dos jogos, venda antecipada de ingressos e calendário bem organizado. É dessa organização que o clube necessita para poder crescer e se auto-sustentar, e deve ser ele, e não os meios de comunicação, os responsáveis por essa organização, devendo o clube saber usar a mídia a seu favor.
    Portanto, para ser bem-sucedida, esta mudança precisa ser acompanhada por uma reorganização da atual estrutura de poder, proporcionando aos clubes mais autonomia para organizar seus campeonatos e para explorar melhor o grande potencial popular que eles construíram ao longo da sua história diminuindo a dependência atual da televisão como fonte de renda, quase que exclusiva, para a sua sobrevivência.
Referências
·         BETTI, Mauro. Mídia e Educação: Análise da relação dos meios de comunicação de massa com a Educação Física e os Esportes. In: Anais do Seminário Brasileiro em “Pedagogia do Esporte”. Santa Maria,1998. 
·         Cortez, 2001. HELAL, Ronaldo; GORDON Jr.; Cezar. Sociologia, história e romance na construção da identidade nacional através do futebol. In: A Invenção do País do Futebol: Mídia, Raça e Idolatria. Rio de Janeiro, Mauad, 2001.
·         REIS, Heloisa Helena Baldy dos. “Lazer e esporte; a espetacularização do futebol”. In: BRUNHS, H. T. Temas sobre lazer. Campinas, Autores Associados, 2000. p. 130-143.
·         Silva, Edna Lúcia da Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação / Edna Lúcia da Silva, Estera Muszkat Menezes. – 3. ed. rev. atual. – Florianópolis: Laboratório de Ensino a Distância da UFSC, 2001.
·         TUBINO, Manoel José Gomes. Dimensões sociais do esporte. 2º ed. São Paulo.



Por lucro e contra estatuto, Barcelona estuda colocar patrocinador em uniforme

De acordo com jornal espanhol “Sport”, clube catalão receberia até 25 milhões de euros para estampar publicidade na parte nobre de sua camisa
Pedro Taveira, iG São Paulo
Por 25 milhões de euros anuais (R$ 56 mi), o Barcelona pode violar seu estatuto e uma tradição de 111 anos. Este é o valor especulado que o clube catalão deve arrecadar ao ceder espaço nobre de seu uniforme a patrocinadores. Sinal dos tempos, o único grande clube mundial que nunca estampou marcas publicitárias em sua camisa – e sempre se orgulhou disso – já estuda a alternativa tendo em vista aumentar seus lucros.
Atualmente, o Barcelona exibe somente o logo do Unicef  (sigla em inglês para Fundo das Nações Unidas para Infância) em sua camisa, além do fornecedor de material esportivo. Na parceria firmada em 2006 pelo ex-presidente Joan Laporta, ao contrário que ocorrem em contratos com publicidade, o clube paga para cerca de 1,5 milhão de euros anuais para exibir a marca.
Barcelona é famoso por não estampar marcas publicitárias em sua camisa de jogo
 O time ainda é patrocinado por cinco empresas, embora nenhuma ocupe o espaço nobre do uniforme, pois isso é proibido em seu estatuto. Esta iniciativa faz com que o Barcelona, segunda equipe com maior número de sócios no mundo, ganhe muitos seguidores em todo o planeta e consiga lucrar com seus produtos.
Mas, segundo o informa o jornal espanhol “Sport”, os catalães avaliam que o mercado exige mais financeiramente das grandes entidades esportivas a cada ano. Desta forma, o departamento de marketing do clube pondera as possibilidades para aumentar seus ganhos, e sobraria para a tradicional camisa azul e grená.
No primeiro cenário, o Barcelona cederia o espaço frontal do uniforme, deslocando o Unicef para as mangas. De acordo com estudos, o valor a ser pago para que uma empresa coloque seu logo ali chega aos 25 milhões de euros anuais, mais do que é arrecadado pelo arquirrival Real Madrid.

 
Montagem com possíveis cenários para patrocínio no uniforme do Barcelona
A segunda opção é manter o emblema do Unicef na parte da frente e jogar o patrocinador nas costas, abaixo do número dos atletas. A especulação para este cenário chega a 12 milhões de euros anuais. No último caso, a camisa se manteria intacta e o logo do patrocinador ficaria na parte de trás do calção, arrecadando de seis a 12 milhões de euros por ano.
Sandro Rosell, presidente do Barcelona, já havia dito durante o processo eleitoral que o elegeu que a cessão do uniforme para publicidade era uma hipótese a ser considerada. Porém, segundo o dirigente, o clube só estará disposto a vender o espaço em sua camisa para empresas líderes mundiais e que defendam os mesmos valores pelos catalães.
A história se repete
Há dois anos, o Athetic Bilbao, clube da primeira divisão espanhola, fez o que o Barcelona vem planejando fazer. Tão ligado ao país Basco como o Barcelona é à Catalunha, o clube só aceita jogadores bascos em seu elenco e também proibia qualquer tipo de publicidade em seu uniforme. Porém, visando melhorar suas finanças, o Athetic mudou seu estatuto e aceitou exibir a marca de patrocinadores na camisa, desde que estas fossem da região basca.

 http://esporte.ig.com.br/futebol/2010/12/09/por+lucro+e+contra+estatuto+barcelona+estuda+colocar+patrocinador+em+uniforme+10324905.html  Acessado em 04/03/2011.







36 comentários:

  1. bom conforme a colocaçao de betti eu entendi que hoje em dia o esporte esta ao nosso redor nao somente em canais de esporte noticiario de esporte e coisas do tipo nao pelo contrario esta em todos os lugares aparece mesmo que de forma rapida em filmes livrois dezenhos sendo assim n tem como alquem nao saber o que acontece no mundo do esporte em si.agora falarei um pouco sobre o que entendi em nossas ultimas aulas em sala de aula com o professor everton.bom vimos que amidia tem uma grande influencia sobre o esporte e vise e versa a midia por ex pode influienciar na vestimenta os jogadores ex eles visao o que é de interrese do publico,nos horarios eles visao quando vai ser televisionado n interompendo os filmes novelas etc. tbm influencia na escolha dos jogadores ela pode fazer com que o jogador se torne um grande idolo da sosiedade ex: ronaldo mas tbm pode tanto fazer subir em audiencia ex:kaka como descer e nao ser trao importante como outros jogadores as vezes os jogos podem ser tipo combinados por ex para que um time deixe o outro vencer por interesse em outros jogos em copas do mundo como talves possa ter sido o caso ddo jogo do brasil,ou talves por dinheiro entrao em acordo e ja ate adivinhem o placar do jogo.bom essa foram algumas de nossas concluçoes das ultimas aulas de ed.fisica !!! alunas:debora cristina leite e jessica deoclecia costa
    turma:203 manha

    ResponderExcluir
  2. Muito bom Débora e Jessica!!
    Vejo que estão cheias de vontade de produzir; é isso aí!!!
    Realmente a mídia tem influenciado em muito o mundo dos esportes; vejamos o caso do vôlei: Este esporte foi totalmente reestruturado apartir de interesses de emissoras de tv. foram modificados regras, uniformes e até o tempo da partida em função das apresentações na tv. O esporte enquanto produto midiático, tem de se adequar aos interesses de seus promotores. Porém, hoje a relação entre estes tem sofrido uma mudança, principalmente com relação aos grandes esportes. A relação entre a mídia e o esporte tem se tornado cada vez mais de interdependência, como podemos perceber no texto que se segue. Dêem uma lida e comentem aqui!
    Abraço e continuem brilhando!!

    ResponderExcluir
  3. Pelo o que eu entendi com a colocação de Betti o esporte sempre esta no nosso cotidiano como por exemplo na TV, jornais, revista na internet e por ai vai.
    Mais agora vou falar o que aprendi sobre esporte e mídia em sala de aula na minha opinião a mídia tem poder sobre o esporte e o esporte tem poder sobre a mídia exemplo no horário de mais audiência que não prejudicam a emissora que esta sendo televisionados os jogos,os jogadores que estão fazendo sucesso e vai dar muita audiência para emissora,clássicos também como CRUZEIRO x ATLÉTICO ,atrai vestimentas e nas logómarcas Como exemplo pode ser uma blusa toda rasgada imunda amassada tendo uma logómarca o "povo" esta usando.
    Isto foi a minha conclusão espero que goste bjs até a aproxima
    ALUNA:Mariana Oliveira
    TURMA:203 manhã

    ResponderExcluir
  4. É isso aí Mariana!!!
    A idéia é essa mesmo! Há entre o esporte e a mídia uma relação de interdependência, onde um tem interesse sobre o outro. O que podemos pensar dessa relação? O que tem ocorrido, como exemplo, no que tem sido chamado de debandada do grupo dos treze no futebol? Não será influencia da mídia? Quem pode comentar essa deixa?
    Abraço Mariana!!
    Até...
    Ah! Mande um abraço para nosso aluno ilustre, seu irmão Quirino.

    ResponderExcluir
  5. e tipo assim irmao...
    O esporte é bastante complexo devido ser um produto que proporciona o consumo e a venda de varios sub-produtos.ex.:chuteiras,camisas,bolas,acessorios esportivos em geral.Ou seja,o esporte tambem é usado como uma "circulaçao de rendas",tendo a midia a seu favor,que leva o mundo do esporte aos seus telespectadores,leitores,ouvintes,etc.
    A midia tem um grande poder de influencia sobre as pessoas,sendo o maior fato social,ditando como o corpo deve ser,como devemos nos vestir,o que devemos comprar, manipulando e dizendo a todo momento o que devemos fazer,como devemos ser.
    A midia e o esporte andam juntos,um influencia o outro e ate mesmo um depende do outro.O esporte traz muitos lucros a midia atraves de pessoas que gostam de esporte e compram produtos como jornais,revistas,dão audiência em radios,TVs,assinam canais de TVs(que para um comerciante pode trazer lucro como foi comentado dentro da sala de aula),ao mesmo tempo em que o esporte precisa da midia para divulgá-lo,o que traz um retorno de lucro propriamente a quem faz o esporte(times de futebol,times de volei,jogadores,em geral de todos os tipos de esportes),enfim,o esporte e a midia tem uma relaçao de beneficio,de lucro.Um se utiiza do outro.
    E é tipo assim irmao...flwws

    Feito por:
    Geovane L.
    Ivan Emerson
    t:(301)

    ResponderExcluir
  6. cole zin
    alem desse trabalho de postar quais outros tem?

    ResponderExcluir
  7. Fala Zin!!!
    Pode circular e dar palpite em tudo, se relacionar com os colegas dos primeiros e segundos anos, contando sobre sua experiência comas aulas de Educação Física e os conhecimentos que tem acerca dos assuntos que eles estão tratando. Com relação a postagem acima, feita junto com o Ivan, fico muito orgulhoso da construção que fez e das relações que estabeleceu com outros textos e discursos que surgiram dentro e fora da sala de aula.
    Parabéns aos dois!
    Abraço

    ResponderExcluir
  8. Gente, na semana seguinte ao Carnaval vai haver o fórum "Esporte e Mídia no Brasil e no mundo", vamos nos preparar para arrebentar nesse evento. As fotos serão postadas aqui e quem quiser pode pegar uma cópia.
    Vamos aguardar então!

    ResponderExcluir
  9. Everton,
    Onde devemos postar o segundo trabalho, é aqui mesmo? Ou não? Ou é preferível te entregar?

    Fica com Deus...

    Abraços..

    ResponderExcluir
  10. A mídia tem o dever de informar as pessoas,e de passar a informação com referência sobre qualquer modalidade esportiva.
    E PODEMOS DIZER QUE HOJE O ESPORTE É ESCRAVO DA MÍDEA..

    ResponderExcluir
  11. desculpa pelo erro de português que cometi...bju

    ResponderExcluir
  12. Bem a midia dá visibilidade ao esporte e consequentemente atrai investidores da iniciativa privada (patrocinadores), querendo utilizar esta visibilidade. E ai, todos ganham o esporte que é o patrocinador que divulga sua marca e o publico assite espetaculos mais estruturados.
    Mas em termos a Sirley está certa, pois realmente a o ESPORTE SE TORNA ESCRAVO DA MÍDIA,pois sem ela o esporte na é visto pelo público.
    Bju da aluna mais aplicada da classe.

    ResponderExcluir
  13. Realmente a mídia nos influência em tudo e,a todo momento na política,no esporte,etc. ex:o futebol quando e televisionado,antes,durante e depois da partida sao mostrados produtos pra serem vendidos(cerveja,propagandas de carros,logogito de bancos,etc)fazendo com que as propagandas nos influênciam em nossas decisões quando necessistamos de algum itens citados.Assim a mídia vai nos manipulando cada vez mais,fanzendo com que a gente não tenha mais opnião própria. JESSICA, TURMA:301

    ResponderExcluir
  14. Jessica, Amanda e Sirley;
    É isto mesmo!! Vejo que estão construindo saberes acerca do tema proposto. Fico feliz!
    Espero que se envolvam ainda mais. Agora o importante é começarmos a pensar o que fazer com esse conhecimento. Como esses saberes serão aplicados nos mais diferentes momentos de nossas vidas. Por exemplo: Como vamos nos relacionar com a prática e admiração do esporte apartir desses conhecimentos produzidos acerca da relação existente entre Mídia e Esporte? Vamos Refletir?
    Abraço Carinhoso

    ResponderExcluir
  15. A midia nos trasmite divugaçao e manipulaçao para convencer a comprar os produtos e colocando os jogadores de fotebol para fazer comerciais dos produtos.

    Esporte hoje se torna mais ESCRAVO da MÍDIA porque com o espote a MÍDIA fica com mais audiência.

    Feito pelos alunos:
    Hellen.C
    Cinthia e
    Bruno
    Turma:301
    Bjinhos

    ResponderExcluir
  16. Muito Bom Hellen, Cinthia e Bruno!
    A mídia também acaba ficando dependente dos esportes, prova é a constante ampliação dos horários de transmissão de eventos esportivos, assim como os valores exorbitantes para poder transmitir com exclusividade.
    Espero vocês amanha para o fórum, ehn?!
    Abraço

    ResponderExcluir
  17. cole Zin,
    não sei onde devo postar o trabalho,
    então vou postar aqui mesmo ja é!

    esse texto entre (parênteses) não foi eu nem os cara
    que criou, eu pesquisei na net, mas também vamos
    colocar nossa opinião no fim do post.

    (bem a midia dá visibilidade ao esporte e consequentemente atrai investidores da iniciativa privada (patrocinadores) querendo utilizar esta visibilidade e ai todos ganham o esporte que é patrocinado o patrocinador que divulga sua marca e o publico que assitem espetaculos mais estruturados.)

    Agora sim será nossa opinião sobre o texto acima:

    nos conversamos aqui e todos concordam com o texto acima, por que a mídia influência muito com que os patrocinadores lancem sua marca estampada no uniforme que o atleta está usando ou até mesmo suas logomarcas em placas que ficam
    visivel para quem está vendo o esporte em casa,
    e praticamente obrigam aos telespectadores que gostem do tipo de esporte que está sendo exibido pela mídia, há comprarem o produto.


    (Não sabemos se era pra fazer em grupo ou individual, então fizemos em grupo mesmo.
    Foi mal ae por ter postando no ultimo dia,
    hoje você falou que podia postar ate 24:00 hr do dia 15/03/11 (terça-feira).



    agora fora do assunto do trabalho
    você vai participar do campeonato que ocorrera nos sábados né?
    por que tenho que fazer um gol de cubridinha ainda em um atleticano frangueiro. kkkk

    autores do trabalho:
    Gleisson pereira, Anderson Rodrigues, Jonathan Thiago, Paulo Henrique.

    flw Zin.

    ResponderExcluir
  18. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  19. esqueci de colocar a sala, é 301
    mas acho que você sabe, mas mesmo assim resolvi colocar.

    ResponderExcluir
  20. Fala Gleissim!!!!
    Que bom que postaram! Fico satisfeito, embora saiba que só postam pela nota, ainda... RS.
    Um dia isso muda, com certeza!rs
    A mídia e os esportes têm essa relação colocada por vocês. É isso mesmo!
    É uma relação de reciprocidade de interesses, embora quase sempre no Brasil, essa relação é pautada por uma unilateralidade, devido a condições financeiras de clubes e atletas em relação aos meios de comunicação. Isso leva a um abuso de poder dos meios midiáticos no que se refere a determinar regras, horários de partidas, modelo de competição, privilégio na transmissão de partidas de determinados clubes em detrimento de outros e por aí vai...
    Abraço carinhoso!

    ResponderExcluir
  21. Ah!
    Fazer gol em mim?!
    Garoto, quando você nasceu eu já jogava bola!
    Vai ser preciso muitos anos ainda pra eu caducar a ponto de deixar você fazer gol em mim de cobertura!!
    KKKKK
    Abraço

    ResponderExcluir
  22. A relaçao entre o esporte e a midia e muito interesante.Porque a midia e o esporte estao muito ligados a nós. Na midia passa quase toda hora sobre o futebol.ex:nas propagandas esportivas,nas telenovelas e sereados,etc.Por isso ha relaçao entre a midia e o esporte. E a midia influencia muito nós a fazer esportes e ver as opçoes de esporte na televisao. LILIAN FERNANDES,TURMA 301

    ResponderExcluir
  23. Everton eu gostei muito da apresentação do trabalho que foi diferente de todo que voÇE ja passou.Porque todos participaram.E o tema foi midia e esporte .E o que eu entendir que o midia influencia as pessoas e esporte ganha lucro.EX:futebol

    aluna:marcelly turma:202

    ResponderExcluir
  24. O que eu entendir com a colação de Betti que o esporte esta sempre no nosso dia-a-dia por exemplo na tv,revista,jornai,internet,radios etc.Agora vou falar um pouco sobre midia e esporte consumo.Vimos que a midia tem grande poder de influenciar as pessoas .Exemplo:como devemos ser, o que devemos comprar etc.E o esporte consumo e que ele e um produto porque tudo o que nos consumimos,tem que pagar.Exemplo:para ver um jogo ,e eles ganham dinheiro com os produtos que associam a eles.A midia e o esporte consumo andam juntos porque a midia influencia as pessoas e o esporte ganha muito dinheiro/lucro.E tambem vou falar sobre a relação entre qualidade de vida e esporte:o ideal do dois é pensar em praticar que não se balizem nos esporte de alto rendimento,mas sim em atividades fisicas que podem melhorar seu condicionamento cardio-respiratorio.
    Evertom eu gostei muito do vidio que voce passou na ultima aula,que foi 'HISTORIA DAS COISAS'eu entendir que o vidio retrata as cincos etapas da economia de materias que são:extração,produção,distribuição,consumo e tratamento de lixo.Isto tudo é um sistema em crise porque de trata de um sistema linear,em todas as etapas deste sistema,ele interage com a vida real,mas essa vida ela não acontece em uma pagima branca e sim em sociedades,culturas,economias e no ambiente e durante as etapas do sistema a vida vai se chocando com os limites.Entretanto umas das coisas mas importantes deste sistema são as pessoas que vivem e trbalham no sistema da extração ate ao tratamento de lixo.Outro fator importante neste sitema e que quem não consome não tem valor .Depois da produção os produtos são distribuidos para os mercados,que vendem o produto o mais rapido possivel,com isso os preços são baixos.A seta dourada e o coração do sistema ela e a unica que aparece na midia,porque a mesma nos incentiva a consumir com isto tornamos uma nação de consumidores.Mas o incirvel e que 99% das coisas que cultivamos,tranformamos vira lixo em apenas seis/meses.Isto porque uma das iniciativas dos governos e a obsolecencia planejada e perceptiva.
    A obsolecencia planejada e que faz o produto com a intenção de estragar como o prazo de uso/validade.Ex:lampada
    A perceptiva e aquela onde a midia manda na população.

    FOI MINHA CONCLUSÃO DAS ULTIMAS AULAS.
    ALUNA:josiane TURMA:201-MANHÃ

    ResponderExcluir
  25. Everton eu gostei da apresentação do trabalho no dia 18/03 sobre o clube dos 13 e sobre midia e esporte consumo.O trabalho que eu participei foi sobre o clube dos 13.O que eu entendir sobre clube do 13 e que ele personifica,numa associação dos maiores e mais importantes do futebol do brasil.E foi fundado no dia 11 de julho de 1987,tinha como membros treze clubes:Atletico,Bahia,Bota fogo,Corinthians,Cruzeiro,Flamengo,Fluminense,Gremio,Internacional,Palmeiras,São Paulo,Santos e Vasco.O clube dos 13 é a locomotiva que levara adiante os ideias dos clubes e defendera os interesses do futebol brasileiro.
    E a participação da midia no clube dos 13:E que o clube dos 13 ganhou muitos destaques ultimamente,entrou em uma crise criada por alguns clubes;esses clubes ameaçaram sair da entidade outros ate sairam para poder negociar com outras emissoras,e com isso em varias oportunidade a midia chega a divulgar essa crise,a midia divulga cada tipo de reunião,divulga tambem a reunião que irá decidir a qual emissora ficaria com a licitação de transmissão do campeonatos brasileiros de 2012 a 2014.A midia trata de informar a população sobre a tal crise quando esses clubes sairam da entidade a midia .Tratou de informar sobre a causa da saida desses clubes.

    ESTAS FOI MINHA CONCLUÇÃO DO TRABALHO SOBRE O CLUBE DOS 13 E A PARTICIPAÇÃO DA MIDIA.

    ALUNA:josiane TURMA:201-MANHÃ

    ResponderExcluir
  26. Pelo que nós entendemos,a colocação feita por Betti e que o esporte está em toda parte,nos progamas de tv,jornais,revistas,desenhos etc...
    A midia faz com que a sociedade veja o esporte como uma forma pratica sem muito esforço.
    Ela influencia muito o esporte e o esporte também tem o poder de nfluenciar a midia.
    Sem a midia o esporte seria totalmente visto de outra forma,pois ela coloca o esporte em grande poder visto pela sociedade.

    Trabalho feito por:
    Chaiane
    Tapuan
    Kissla
    301

    ResponderExcluir
  27. Josiane;
    Muito bom a sua síntese acerca das aulas. Fico muito feliz em perceber como você se empenha. Parabéns!!
    Com relação ao clube dos 13, podemos notar com todas essas informações o quanto há de interesse em trabalhar com o esporte por parte da mídia. a questão é: Qual será a intencionalidade por trás disto tudo?
    Abraço.

    ResponderExcluir
  28. Tapuan, Chaiane e Kíssila;
    vocês deixaram claro a interdependência da relação entre esporte e mídia, mas gostaria que discorressem mais sobre a visão passada pela mídia á sociedade, acho que não entendi direito.
    Abraço

    ResponderExcluir
  29. há mídia é um modo de mostrarem o produto e influênciar as pessoas á sempre comprar e comprar.pois hoje se vocÊ não anda na moda vocÊ esta "fora da moda" ,então como queremos andar sempre na moda acabamos comprando e consumindo até o desnecesário.
    E isso se repete todos os dias de nossa vida,sequentemente!

    ResponderExcluir
  30. Então Rayane;
    é isto mesmo!
    acredito que o que temos que refletir é sobre como temos lhe dado com estas influencias. De modo passivo ou de forma crítica?
    Abraço;

    ResponderExcluir
  31. jessica 104,EVERTON aonde devemos postar os comentarios sobre as aulas praticas?

    ResponderExcluir
  32. Volei Como eu relatei no outro trabalho eu gostei mais de jogar volei,e o que eu mais achei positivo nessas aulas de volei e a questão da turma entender as dificuldades de algumas pessoas nesse esporte,nas aulas de volei não houve nem um tipo de moldificaçoes das regras usamos as mesmas regras do volei atual,gostei muito de jogar volei,um grande abraço NOME:Aline TURMA:202MANHÃ

    ResponderExcluir
  33. Olá Aline;
    Que bom que você gostou, espero continuar acrescentando e agradando!
    Abraço e até.

    ResponderExcluir
  34. Estou super, hiper, mega, blaster surpreso com este blog. Perfeita a iniciativa do Prof. Everton. Só entristeço-me por não ter sabido anteriormente da existência do blog, pois caso contrário teria contribuído com meus comentários e com informações sobre mídia e esporte. Assunto bastante produtivo numa sociedade movida pelo consumo desenfreado e, às vezes, inconsequente. Parabenizo o professor por unir tecnologia, informação e conhecimento. No mundo cibernético no qual vivemos práticas como esta devem ser aplaudidas, desenvolvidas, e até mesmo, seguidas pelos demais profissionais. Parabéns!!! Isso sim..., caracteriza nossa escola como uma escola de ensino médio antenada ao mundo da teconologia, do trabalho e da informação!!!! Prof. Fred

    ResponderExcluir
  35. Professor Frederico;
    Ficamos felizes com sua presença em nosso espaço de produção de conhecimento e aguardamos sua participação acerca de outros temas também. Ainda é o começo de uma idéia e a expectativa é estimular os alunos a fazer uso das Tecnologias de Informação e conhecimento para também se informar e produzir conhecimentos escolares. Agradeço pela gentileza e convido novamente para contribuir conosco por intermédio das TICs na produção de saberes.

    ResponderExcluir